Manuel Fernandes PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Manuel José Tavares Fernandes nasceu no dia 5 de Junho de 1951. Aos 16 anos começou a jogar futebol na equipa de juvenis do Sarilhense, clube local da sua terra, a qual se chama Sarilhos Pequenos.

Manuel Fernandes

Um ano após a sua estreia já estava na equipa principal sénior, onde disputou o campeonato da 3ª divisão. No final dessa época transferiu se para a CUF, clube do Barreiro, desconhecido para muitos, mas que na altura militava na primeira divisão de Portugal. Começou por jogar nas reservas da CUF, mas logo se tornou num dos principais jogadores da equipa principal, chegando a internacional e despertando a cobiça dos grandes.

Manuel Fernandes escolheu vir para o Sporting Clube de Portugal, o seu clube de coração. O Sporting contratou o numa altura em que tentava encontrar um substituto para Yazalde. Manuel Fernandes superou todas as expectativas, tornando se num dos maiores goleadores da história do Sporting, símbolo do clube e grande capitão de equipa.

O seu jogo de estreia pelo nosso clube aconteceu a 27 de Agosto de 1975, num encontro particular contra o Académico de Coimbra. Vencemos a partida por 5 a 3, conseguindo Manuel Fernandes marcar por 3 vezes, logo na sua partida de estreia.

Durante as 12 temporadas em que envergou a nossa camisola, Manuel Fernandes realizou 433 jogos oficiais, obtendo 256 golos.

Melhor marcador do Campeonato Nacional em 1985/86, com 30 golos, venceu dois campeonatos ao serviço do Sporting. Conquistou igualmente duas Taças de Portugal e uma Supertaça, formando com Rui Jordão uma das mais temíveis duplas de ponta de lança da história do futebol português.

Manuel Fernandes

São inúmeras as tardes e noites de glória que o grande capitão teve enquanto jogador do S.C.P., mas a mais recordada de todas aconteceu a 14 de Dezembro de 1986, no massacre imposto aos lampiões, num resultado histórico de 7 a 1. Manuel Fernandes marcou quatro golos nesse encontro, um dia memorável para todos nós.

Porém, seis meses depois, foi dispensado pelo técnico britânico Keith Burkinshaw, rumando então ao Vitória de Setúbal, onde viria a reencontrar Malcolm Allinson, e também Jordão, grandes obreiros do nosso título em 1981/82.

Ainda alinhou duas temporadas no clube sadino, mas no final da temporada 1987/88 terminou a sua brilhante carreira de jogador, dando início à sua carreira de treinador, logo na 1ª divisão, ao serviço do Vitória de Setúbal.

Ao serviço da Selecção Nacional A, Manuel Fernandes fez 31 jogos, marcando 9 golos. Ficou-lhe decerto a mágoa de não ser seleccionado para as fases finais do Euro 1984 e também do Mundial do México´86, uma injustiça para a qual nunca existiu explicação. Mesmo assim, Manuel Fernandes mostrou se disponível, após o Mundial do México e o famoso “caso Saltillo”, para representar Portugal, dado que os jogadores presentes no México tinham sido suspensos de representar a Selecção.

A sua carreira de treinador foi marcada por uma enorme coragem e disponibilidade em enfrentar grandes desafios. Começou então em Setúbal, onde substituiu Malcolm Allison. Orientou também o Estrela da Amadora, chegando ás competições europeias á frente do clube da Reboleira. Conseguiu subidas de divisão em clubes mais pequenos, como são o caso do Campomaiorense e do Santa Clara, sendo que no caso da equipa dos Açores, Manuel Fernandes assumiu o cargo na 2ª Divisão B, levando o emblema açoriano aos principais palcos do nosso país. Conseguiu também outra subida de divisão, desta vez ao serviço do Penafiel.

Manuel Fernandes

Pelo meio regressou a Alvalade por duas ocasiões, primeiro para ser adjunto de Bobby Robson, e para depois, a meio da época de 2000/01, substituir Augusto Inácio, conseguindo conquistar a Supertaça Portuguesa numa finalíssima contra o F.C. Porto.

No final da época ficou a mágoa de não ter sido dada a Manuel Fernandes a oportunidade de iniciar uma época como treinador principal do seu clube, o nosso Sporting.

Após uma paragem na sua carreira de treinador, teve uma passagem pela Selecção de Angola, antes de regressar a Portugal. Treinou ainda a União de Leiria, alcançando mais uma promoção à 1ª Divisão, e posteriormente regressou a cidade de Setúbal, para orientar o Vitória.

Em Março de 2011 rescindiu o contracto que o ligava ao Vitória de Setúbal, encerrando a sua carreira de treinador, no mesmo clube onde a tinha iniciado.

Está de volta a Alvalade, desta vez integrando a estrutura do futebol leonino.

Da sua brilhante carreira, Manuel Fernandes gosta de recordar dois momentos: o facto de ter apontado um dos golos na vitória sobre a União de Leiria, que nos valeu o titulo da temporada de 1979/80, e também os inesquecíveis quatro golos nos 7 a 1 aos lampiões. Mas mais do que qualquer golo, ou qualquer jogo em especial, Manuel Fernandes destaca como o seu maior momento de glória, o dia em que vestiu pela primeira vez a camisola do Sporting Clube de Portugal.

 

Júlio Rendeiro

A história do SCP foi edificada com o contributo de inúmeros atletas que desde 1906 concretizaram um sonho que estará sempre por cumprir.

Nos primeiros tempos tratavam-se de atletas que simultaneamente eram dirigentes, seccionistas, roupeiros numa comovente demonstração de amor à camisola.

Neste espaço pretendemos evocar os homens e mulheres que engrandeceram o ideal de Francisco Stromp. Queremos valorizar aqueles que, nas mais diversas modalidades, transformaram o SCP na maior potência desportiva nacional, num dos maiores da Europa em títulos conquistados e no topo do mundo com mais de uma centena de atletas olímpicos.

Assumimos o legado deixado pelas várias gerações de atletas e por ele lutamos convictamente.

 

Facebook Twitter YouTube Google+ RSS